Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

A chegada - alma ou assombração?

London Bridge - cartão postal da cidade
Eu cheguei a Londres às 4 da tarde. E sabia que, àquela hora, os albergues já poderiam estar com sua lotação esgotada. Por isso, nem tentei, como era o meu objetivo, e fui direto ao balcão de informações, onde a atendente da Victoria Station me indicou um hotel, bem acima do meu orçamento. Cansada da viagem, não consegui ver outra alternativa.
   
Quando saí da estação de metrô, tentei me localizar no mapa e já estava começando meu caminho em direção ao hotel, quando uma “alma” caridosa se ofereceu para carregar a minha mala.  Nossa, que povo gentil! A “alma” se apresentou e, ao longo do caminho, foi contando que era da Argélia e que estava em Londres de férias, pela quarta ou quinta vez. E começou a falar mal da cidade. Achei estranho. Se vou a algum lugar e não gosto, nunca mais volto ali. E como já tinha ouvido muitas histórias mirabolantes, comecei a achar que o cara era um traficante sei lá do que, um cara mau, sei lá. Fiquei esperta. E com medo. 

Quando chegamos ao hotel, ele esperou que eu fizesse o check-in. Quando terminei, antes de subir para o quarto, agradeci a gentileza, desejei boas férias etc. Mas ele disse: vou subir. Hein?! Vou subir com você. Como assim, em que sentido? Vou subir com você. E aí, como quem incorpora um homem grande e forte, eu falei bem alto, no meu inglês meia-boca, para a recepcionista ouvir: não, eu não lhe conheço e você não vai subir, eu não convidei você. Ele ainda insistiu e eu fui mais incisiva: você sabe o que significa não? Minha resposta é não. Você não vai subir. Ou eu chamo a polícia. A recepcionista fez menção de se aproximar, mas não foi preciso. Ele deu meia volta e saiu. Eu subi pro meu quarto enooorme, sentei na cama e desabei. Chorei de medo e solidão. Nunca tinha me sentido tão sozinha e desamparada, longe de casa, sem ter para quem apelar. Tive pena de mim, sozinha, largada numa terra estranha... Meia hora depois daquela sessão de autocomiseração, levantei, abri a mala, tomei um banho e pensei: ei, eu estou em Londres!!!!

Londres não é uma unanimidade, mas é a minha preferida.